Villa de Iguassú - Cidade Invisível

Ruínas da Villa de Iguassú

[s.n.: s.d.]

 

05 de fevereiro de 2018

Fazenda São Bernardino

Fundada em 1875, a Fazenda São Bernardino é uma das prioridades do município. A posse do imóvel de 16 mil metros quadrados foi dada à prefeitura pela 6ª Vara Cívil de Nova Iguaçu, em outubro de 2017. Após a posse, foi encaminhado projeto de revitalização para o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), já que o local é tombado desde 1951, que precisa ser aprovado. A expectativa é que a aprovação saia este ano. 

O projeto prevê a reconstrução de toda a estrutura física da fazenda, seguindo os conceitos arquitetônicos da época, em estilo neoclássico, incluindo a casa grande, senzala, engenho e terreiro, para transformar o local em um espaço multiuso para atividades culturais e artísticas.

A fazenda histórica fica entre Vila de Cava e Tinguá, às margens da RJ-111, também chamada de Rodovia Federal. O espaço contava com cavalariças, garagem para carruagens, senzalas, habitações para escravos e engenhos de cana e mandioca. Pelo local também passava a extinta Estrada de Ferro Rio DOuro, que tinha uma estação com o nome de São Bernardino. A fazenda produziu café, açúcar, aguardente e farinha de mandioca, além de extrair madeira e exportar carvão. Foi destruída por um incêndio na década de 1980 e ficou abandonada desde então.

Vila de Iguassú

Até o início do século XIX, Piedade do Iguaçu tornou-se o principal povoado da região. Ele se concentrava, principalmente, às margens dos rios, mas também se instalou nos entroncamentos das estradas. Piedade do Iguaçu cresceu ainda mais com a abertura da Estrada Real do Comércio, primeira via aberta no Brasil para o escoamento do café do interior do país.

Graças à Estrada Real do Comércio e às ótimas condições para a criação de um entreposto comercial, foi necessária a criação de um município. Em 15 de janeiro de 1833, portanto, foi criada a Vila de Iguaçu a partir de decreto assinado pelo regente Nicolau Pereira de Campos Vergueiro, em nome do imperador dom Pedro II. Em 29 de julho do mesmo ano, foi instalada a câmara dos vereadores, com sete representantes.

A área total da vila de Iguaçu era, à época de sua criação, de 1.305,47 km². Na sede, havia um quartel com uma cadeia anexa, a Câmara de Vereadores, o Fórum, casas comerciais e cerca de cem casas. Nos portos, eram embarcadas mercadorias em direção ao Rio de Janeiro. A população em 1879 era estimada em 21.703 pessoas, sendo 7.622 escravos.

 

“Infelizmente, temos hoje pouco do patrimônio histórico de Nova Iguaçu. O que sobrou precisa ser recuperado e valorizado, e eu acredito na boa vontade dessa gestão. Se conseguirmos um bom projeto, tirá-lo do papel, traremos vida novamente à região. Vila de Iguassú seria um projeto piloto no Rio de Janeiro. Imagino aqui a Parati da Baixada Fluminense”, acrescenta o diretor geral do INEPAC, Marcus Antônio Monteiro Nogueira.

 

Fonte: http://www.novaiguacu.rj.gov.br/2018/02/05/prefeitura-e-inepac-se-unem-por-revitalizacao-da-vila-de-iguassu/

 

 

Fazenda São Bernardino. Seu primeiro proprietário foi o português Bernardino José de Souza Mello (o velho ). Atingiu seu apogeu com seu filho Bernardino José de Souza Júnior

Estrada Real do Comércio . As mercadorias, ouro, café e diamantes, provenientes do Alto Paraíba. Construída entre 1811-1822

Estação de trem de Tinguá . A Estrada de Ferro deu início à perda de importância do transporte fluvial e ao abandono de Villa de Iguassú.

Antigo porto do Rio Iguassú por onde escoavam as mercadorias para a Baía da Guanabara rumo ao Rio de Janeiro

Registro da visita à Villa de Iguassú

Vídeo realizado em 18 de Março do ano de 2020